Day: 5 de agosto de 2019

MEC PRORROGA PRAZO PARA RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDA COM FIES

O Ministério da Educação (MEC) prorrogou, para o dia 10 de outubro, o prazo para renegociação de dívida do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A portaria que prevê a ampliação a renegociação foi publicada hoje (30) no Diário Oficial da União.

Para pedir a renegociação, os estudantes precisam ter firmado o contrato com o Fies até o segundo semestre de 2017; estar com as parcelas atrasadas em, no mínimo, 90 dias; e ter contratos em fase de amortização.

Além disso, os contratos não podem ser objeto de ação judicial. A depender do tipo contrato, a renegociação também poderá ser feita pelo prazo de amortização.

De acordo com o Ministério da Educação, mais de 500 mil alunos estão com os contratos de financiamento na fase de amortização e com atraso no pagamento das prestações. O saldo devedor total alcança o valor de R$ 11,2 bilhões.

Para regularizar a situação, os interessados devem procurar a instituição bancária onde o contrato foi assinado. O valor da parcela resultante da renegociação não pode ser inferior a R$ 200. Há ainda a parcela de entrada. O estudante deve pagar ou 10% da dívida consolidada vencida, ou R$ 1.000.

 
Fonte: ABMES
 

PROUNI ABRE INSCRIÇÕES PARA BOLSAS REMANESCENTES EM UNIVERSIDADES PRIVADAS

As inscrições para bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (ProUni) começam nesta segunda-feira (5) e se estendem até o dia 30 de setembro. Para quem ainda não estiver matriculado em uma instituição de ensino, o prazo é mais curto: termina em 16 de agosto. Em ambos os casos, é preciso entrar no site http://prouniremanescentes.mec.gov.br/.

Nesta etapa, o Ministério da Educação (MEC) oferece vagas que não foram preenchidas nas duas chamadas do programa e na lista de espera. São casos em que os candidatos inicialmente selecionados não apresentaram a documentação exigida ou desistiram de participar do programa.

O ProUni, criado em 2004, oferta bolsas de estudo parciais (que cobrem 50% da mensalidade) e integrais em universidades privadas.

Quem pode concorrer às bolsas remanescentes:

  • Professores da rede pública de ensino, que estejam exercendo a profissão, mesmo que não tenham participado do Enem. A bolsa é permitida apenas para cursos de licenciatura.
  • Brasileiros sem diploma de ensino superior, que tenham feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010 e obtido nota superior a 450 pontos. Não é permitido ter zerado na redação.

Critérios de seleção
Nesta etapa, as bolsas remanescentes serão distribuídas por ordem de inscrição – e não por nota de corte.

Quem for selecionado deve comparecer à instituição de ensino nos dois dias úteis após a inscrição, para comprovar os dados pessoais.

Cronograma

  • 5 a 16 de agosto: inscrições para candidatos que não estejam matriculados em uma universidade;
  • 5 de agosto a 30 de setembro: inscrições para candidatos que estejam matriculados em uma universidade;
  • Dois dias úteis após a inscrição: apresentação de documentos na instituição de ensino.
 
Fonte: ABMES

RANKING INÉDITO TRAZ LISTA DOS MELHORES CURSOS A DISTÂNCIA DO PAÍS

 
 

A educação a distância cresce vertiginosamente no Brasil. Uma pesquisa da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) mostra que, caso a tendência de crescimento nas matrículas no ensino superior continue a mesma, em 2023 o número de alunos por meio da educação a distância (EAD) nas universidades particulares será maior do que os que se matriculam em cursos presenciais.

A oferta de cursos online é tão grande que fica difícil escolher um curso de qualidade. Ao contrário do que acontece com os cursos presenciais – contemplados por rankings universitários já bastante conhecidos -, não havia, até hoje, um ranking voltado especificamente para o ensino a distância. Foi para preencher essa lacuna que o Canvas idealizou o EAD Ranking, primeiro ranking de educação a distância do Brasil.

Feito com o apoio da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), da Rede Brasileira de Pesquisa em Rankings, Índices e Tabelas, Classificatórias na Educação Superior (Rede Rankintacs) e do Grupo Gestão RH, o projeto tem como objetivo premiar cursos que estão se destacando e incentivando as melhores práticas na educação a distância.

Independente e com uma metodologia transparente, semelhante aos rankings universitários tradicionais, o EAD Ranking inclui mais de 200 cursos, em diversos níveis e áreas de interesse. O curso de maior pontuação no Brasil foi um pós-graduado em Gestão Pública com ênfase em Auditoria e Controle na FECAP de São Paulo, seguido pelo curso de Assistente Administrativo, do Senai RJ e a Pós Graduação em Produção de Grãos, pela Rehagro, de Minas Gerais.

“No top 20, não há um tipo específico de curso que seja favorecido”, diz Gabriela Pereira, diretora regional do Canvas. “Temos cursos de administração de empresas, letras, ciências agrícolas, ciência aeronáutica e coaching de desenvolvimento profissional. Há também vários cursos de pedagogia, mostrando o papel que o ensino a distância desempenha na formação de educadores, uma das maiores prioridades do Brasil.”

Se os professores estão usando cada vez mais o ensino a distância para aumentar seu conjunto de habilidades, é vital ter uma avaliação de qualidade para garantir a educação das futuras gerações. Os critérios de pontuação incluem atenção dedicada a cada aluno, ofertas tecnológicas de cada curso, reputação do curso entre os pares e profissionais de RH.

“Com o EAD Ranking, nos aproximamos da comunidade de ensino a distância e buscamos avaliações e indicadores diferenciados que nos ajudem a atuar no segmento de forma mais efetiva e colaborativa”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), Fredric Litto. “Através do ranking, é possível identificar aspectos que são valorizados pela comunidade e outros que precisam ser melhorados. Dessa forma, a ABED terá evidências para orientar suas ações e contribuições para garantir a qualidade da EAD e expandir a modalidade no país”.

Em um país tão grande quanto o Brasil, o ensino a distância oferece a milhares de estudantes a oportunidade de acessar conteúdos educacionais de alta qualidade sem ter que sair de casa. Segundo o Censo da Educação Superior, realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), as matrículas no EAD alcançaram quase 1,8 milhão em 2017, o equivalente a 21,2% do total de matrículas em todo o ensino superior.

“Com a legislação recente do governo facilitando a expansão dos cursos on-line no ensino superior, os rankings realizados imparcialmente e com critérios claros e bem fundamentados são cada vez mais necessários para iluminar o cenário da EAD”, disse Adolfo Ignacio Calderón, coordenador da Rede Rankintacs.

 
Fonte: ABMES

“MEU FILHO QUER FAZER EAD, E AGORA?”

Tradicionalmente vista como uma modalidade pertinente para pessoas mais velhas, o ensino a distância (EAD) tem captado o público mais jovem nos últimos anos. Segundo levantamentos da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), os estudantes com menos de 30 anos representavam 50% do público do EAD em 2012, porcentagem que subiu para 68% em 2017. Entre os atrativos estão a flexibilidade de horários, a economia de tempo com traslado e a autonomia para os estudos.

Porém, segundo levantamento da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior(ABMES), um dos principais fatores que ainda afasta os alunos do EAD é a percepção de que o mercado de trabalho ainda não valoriza a qualidade desses cursos — visão geralmente compartilhada por seus pais.

“É uma visão ainda difícil de quebrar. Pela Legislação Federal, os diplomas dos cursos a distância não podem ser referenciados como tal e, por isso, têm o mesmo valor do que o dos cursos presenciais”, explica o reitor do Centro Universitário Internacional Uninter, Benhur Gaio.

Para os pais cujos filhos querem iniciar um curso EAD, Gaio dá algumas dicas:

Incentive uma disciplina de estudos
“Até o Ensino Médio, os estudantes têm uma grade horária fixada pela escola e as atividades são constantemente cobradas pelos professores. Nas graduações EAD isso não acontece, pois cada um é responsável por montar sua rotina e se ‘autovigiar’. É indispensável criar uma disciplina de estudos”, afirma.

Arranje um ambiente próprio para estudar
“O quarto ou a sala normalmente são símbolos de descanso. Os jovens precisam ter um lugar específico para os estudos, mesmo que um canto da casa, ou ainda frequentar o polo de apoio presencial, bibliotecas e outros espaços que tenham uma atmosfera de concentração”, pontua.

Estimule a convivência social
“Sem os encontros presenciais com os professores e colegas, os jovens precisam fazer um esforço maior para interagir pelo espaço virtual. Converse com seus filhos sobre o que estão estudando e incentive que eles utilizem os recursos de comunicação on-line, formem grupos de estudos ou organizem encontros com outros estudantes”, defende.

Encoraje atividades complementares 
“Ao contrário dos estudantes mais velhos, que já trabalham e têm uma rotina agitada, os mais jovens geralmente ‘apenas estudam’. Os pais podem incentivar que se dediquem a outras atividades para complementar o aprendizado, como palestras, estágios, voluntariado, minicursos e até mesmo esportes ou atividades artísticas, que trabalham outras áreas do cérebro”, coloca.

Sobre o Grupo Uninter 
O Grupo Uninter é o maior centro universitário do país, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e a única instituição de ensino a distância do Brasil recredenciada com nota máxima pelo Ministério da Educação (MEC). Sediado em Curitiba (PR), já formou mais de 500 mil alunos e, hoje, tem mais de 210 mil alunos ativos nos mais de 200 cursos ofertados entre graduação, pós-graduação, mestrado e extensão, nas modalidades presencial, semipresencial e a distância. Com centenas de polos de apoio presencial, estrategicamente localizados em todo o território brasileiro, mantém cinco campi no coração de Curitiba. São 2 mil funcionários trabalhando todos os dias para transformar a educação brasileira em realidade.

 
Fonte: ABMES