NOTICIAS

ABMES E INSTITUTO ÊXITO ASSINAM PARCERIA PARA COOPERAÇÃO EM EMPREENDEDORISMO

 

Apoiar iniciativas que promovam o crescimento do espírito empreendedor, a inovação e o desenvolvimento sustentável nas instituições de educação superior particulares associadas à ABMES é um dos compromissos firmados entre a Associação e o Instituto Latino Americano de Empreendedorismo, Inovação e Desenvolvimento Sustentável (Instituto Êxito).

O acordo entre a ABMES e o Instituto Êxito foi formalizado na noite desta quarta-feira (22/05), em São Paulo/SP, durante o lançamento oficial da iniciativa. Na ocasião, um Termo de Cooperação foi assinado por Celso Niskier, diretor presidente da ABMES e um dos vice-presidentes do Instituto e Janguiê Diniz, que é o primeiro presidente do Instituto Êxito e vice-presidente da ABMES. Este é o primeiro convênio firmado pelo projeto.

“Com a parceria, nossos associados terão facilidade de acesso a iniciativas inovadoras que estimulem a educação empreendedora em suas instituições, preparando melhor os estudantes para o mundo dos negócios”, explica Celso Niskier.

As duas entidades trabalharão unidas no sentido de promover estudos, propor soluções, realizar ações coordenadas com poderes públicos, organizar eventos para associados, criar iniciativas que incentivem estudos, pesquisas e diagnósticos, reunindo, organizando e sistematizando tecnologias de conhecimento, novidades, inovações e soluções criativas, que possam ser replicadas nas ações dos diversos setores, e disponibilizando informações para o mercado, além de outras frentes, todas com enfoque na educação superior.

Segundo Celso Niskier, isso é fundamental para estimular o interesse dos estudantes pelo empreendedorismo. “Precisamos orientar os jovens para que possam criar seus próprios negócios. Disseminar a cultura da inovação e do empreendedorismo na universidade vai em linha com o que é feito em países avançados”.

Diretoria 
Além de Celso Niskier e Janguiê Diniz, Gabriel Mario Rodrigues, presidente do Conselho de Administração da ABMES, compõe o grupo de fundadores e atuará como um dos vice-presidentes do Instituto Êxito.

 

Fonte: ABMES

Para ver a matéria original  clique aqui.

PROUNI DO 2º SEMESTRE VAI ABRIR EM 11 DE JUNHO AS INSCRIÇÕES PARA DISPUTA POR BOLSAS EM UNIVERSIDADES PRIVADAS

 

As inscrições para o Programa Universidade Para Todos (Prouni) do segundo semestre devem ser feitas entre 11 e 14 de junho no site http://siteprouni.mec.gov.br. O edital foi publicado nesta quarta-feira (22), no Diário Oficial da União.

Os candidatos que forem selecionados terão direito a bolsas de estudo parciais ou integrais em instituições de ensino privadas.

Para se inscrever no Prouni, o estudante não pode ter diploma de ensino superior. Além disso, deve ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 e tirado, no mínimo, média de 450 pontos na prova. Não é permitido ter zerado na redação.

Também é preciso se enquadrar em um dos seguintes critérios de renda:

  • Bolsas integrais: renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo
  • Bolsas parciais (50% da mensalidade coberta): renda familiar bruta mensal per capita de até 3 salários mínimos

Entre as exigências, o candidato deve ainda se encaixar em pelo menos uma das seguintes situações:

  • ter cursado o ensino médio em escola pública;
  • ter cursado o ensino médio em escola privada, desde que na condição de bolsista integral;
  • ter alguma deficiência;
  • ou ser professor do quadro permanente de uma escola pública (nesse caso, o critério de renda familiar não se aplica).

Resultados 
Os resultados da primeira chamada serão divulgados em 18 de junho, no site do Prouni. A segunda lista será divulgada em 2 de julho, no mesmo endereço.

O candidato pré-selecionado deverá comparecer à instituição de ensino superior onde irá estudar para comprovar os dados informados na inscrição.

Caso sobrem vagas, haverá uma lista de espera em 18 de julho.

Calendário

  • Inscrições: 11 a 14 de junho
  • Resultado da 1ª chamada: 18 de junho
  • Comprovação de informações para aprovados na 1ª chamada: 18 a 28 de junho
  • Resultado da 2ª chamada: 2 de julho Comprovação de informações para aprovados na 2ª chamada: 2 a 11 de julho
  • Lista de espera: 18 de julho

Fonte ABMES

Para ver a matéria original clique aqui.

MEC ANUNCIA PESQUISA COM IES PARA APRIMORAR NOTA TÉCNICA SOBRE DIPLOMAS DIGITAIS

Embora seja grande a expectativa do setor particular de educação superior pela publicação de norma técnica que detalhe o processo de emissão e registro do diploma digital, a representante da Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (SESu/MEC), Cristiane Dias Leipiane, informou que a não publicação do documento até o momento se deu em virtude da decisão de divulgá-lo acompanhado de uma pesquisa de avaliação. De todo modo, a previsão é de que tudo seja disponibilizado até a próxima semana.

A declaração foi feita durante o ABMES Regional realizado nesta terça-feira (21), no Rio de Janeiro/RJ, que reuniu mais de 140 representantes de instituições de educação superior (IES) de todo o estado e também de outras unidades da Federação situadas na região Sudeste.

De acordo com Cristiane, as IES serão convidadas a se manifestarem a respeito da nota que vai orientar sobre a aplicação e o uso do Pacote XSD, necessário para a emissão do diploma digital conforme previsto na Portaria MEC nº 554/2019. “A instituição não vai ser identificada, apenas precisará indicar sua categoria e organização acadêmica. Então, fiquem à vontade para se manifestar. Queremos saber qual é o real nível de satisfação com relação à nota técnica”. Para isso, além das questões de múltipla escolha, o formulário contará com campos para a manifestação aberta de cada instituição.

Ainda sobre a nota, como intuito é auxiliar as IES na compreensão das especificidades técnicas para a emissão e o registro do diploma digital, o Ministério da Educação (MEC) solicita que as instituições envolvam suas equipes de tecnologia da informação (TI) para expressarem seus pareceres técnicos. Assim que a pesquisa for disponibilizada, todos serão comunicados por meio do e-MEC.

Educação superior no RJ
Com base nos dados do último Censo da Educação Superior divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, apresentou o cenário da educação superior no estado do Rio de Janeiro.

Ele chamou a atenção para a relevância da educação a distância para a obtenção do crescimento médio anual de 3,1% no número de matrículas, segundo melhor desempenho da região Sudeste entre 2010 e 2017. Contudo, Caldas alertou para o fato de o índice estar abaixo do verificado nacionalmente. “No mesmo período a evolução média do número de estudantes na educação superior no Brasil foi de 3,8%”.

Visando facilitar na tomada de decisões pelas instituições, também foi apresentado o perfil do estudante no estado: 56% de mulheres, 48% com até 24 anos, 33% de brancos, 54% de egressos do ensino médio em escolas públicas e 58% pertencentes às classes CDE.

Financiamento da inovação
Também presente ao evento, o analista de Projetos da Financiadora de Inovação em Pesquisa (Finep), Renato Magalhães de Souza, apresentou o Finep Educação. A iniciativa possui condições especiais para as instituições de educação superior que tiverem projetos aderentes às temáticas do programa.

Segundo ele, a motivação surgiu por conta das novas tecnologias, da necessidade de as instituições se diferenciarem no mercado e também de formarem melhor seus alunos. Para isso, foram definidas quatro linhas prioritárias: personalização do ensino; metodologias ativas; recursos educacionais digitais para ensino-aprendizagem; e ambientes, estratégias e processos promotores de inovação.

A ABMES estabeleceu parceria com a Finep no sentido de facilitar o atendimento às mantenedoras associadas. Os interessados devem entrar em contato por meio do e-mail educacao@finep.gov.br.

Chamado à união
Como o evento também tem como objetivo unir o setor particular de educação superior em torno de agendas propositivas, Celso Niskier, diretor presidente da ABMES, ressaltou a importância dessa união para o alcance dos resultados que o país necessita no contexto da educação superior.

“No seu âmbito especifico, todo mundo compete, natural, mas em termos de economia e setor temos que colaborar porque juntos vamos produzir resultados para todos. Assim, seremos mais fortes, eficazes, produtivos e impactaremos na vida dos estudantes e da sociedade”, afirmou Niskier.

Também participaram do encontro o especialista em avaliação da educação superior, Paulo Chanan, que com linguagem clara e simples desmistificou diversos pontos em relação ao diploma digital; Jean Martina, professor de Segurança da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que compartilhou a experiência da instituição no desenvolvimento e implementação do seu sistema de emissão de diploma digital, além do diretor de Regulação da Educação Superior (Seres/MEC), Marco Aurélio de Oliveira.

Fonte: Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES

Ver a matéria original clique aqui.

Tecnologias disruptivas e o novo contexto global da educação

Em uma sociedade cada vez mais múltipla e conectada, será que existe uma única forma correta e eficiente de transmitir conteúdo? Há séculos, quando o modelo educacional ainda predominante foi desenvolvido, havia o entendimento de que professores ensinavam, alunos aprendiam. Nessa hierarquia, nessa lógica.

A partir dessa compreensão foram criadas as salas de aula tradicionais, com lousas (recentemente substituídas pelos quadros brancos), carteiras enfileiradas e docentes dotados de giz e voz. Nas últimas décadas, contudo, o surgimento e a disseminação de novas tecnologias da informação e comunicação impuseram à sociedade contemporânea novas formas de se comportar, se relacionar e também de aprender.

 

Com a informação ao alcance de um clique, a interação entre quem ensina e quem aprende tem sido cada vez mais horizontalizada. Novas metodologias, como a sala de aula invertida, foram desenvolvidas para atender à demanda crescente por autonomia e responsabilização no processo individual de aprendizado.

Nesse contexto também ganhou força a educação a distância, que nos dias atuais nada mais é do que ensino mediado pela tecnologia. Aquele velho modelo de apostilas e avaliações que trafegavam via correios há muito foi substituído por sistemas modernos, dinâmicos, atraentes e capazes de promover efetiva comunicação entre estudantes e professores, e também entre pares.

Além de fácil operacionalização, os ambientes virtuais de aprendizagem disponíveis no mercado estão cada vez mais preparados para dialogar com tecnologias disruptivas que surgem a cada dia, como realidade virtual, realidade aumentada, gamificação, mobile learning, social learning, machine learning, chatbot e learning analytics.

Tratam-se de inovações que impactam na leitura de mundo e também na forma como o ser humano se relaciona com o processo de ensino-aprendizagem. Neste sentido, elas devem ser vistas e utilizadas, inclusive, como instrumentos estratégicos para a efetivação de alguns princípios educacionais que norteiam a pedagogia moderna.

Por exemplo, se todo aluno é único em seu potencial de aprender, a utilização dos algoritmos gerados pelo machine learning e pelo learning analytics ofertam caminhos personalizados de aprendizagem. Já para o entendimento de que a absorção de conhecimento deve ocorrer em ambientes que sejam ricos, motivadores e desafiadores, quais ferramentas podem ser melhores do que a realidade virtual, a realidade aumentada, o social learning, o mobile learning e a gamificação?

É verdade que boa parte dessas tecnologias podem ser empregadas nas salas de aula convencionais, inclusive sua utilização tem se tornado cada dia mais imperativa. Contudo, é no ambiente virtual onde todas as suas potencialidades podem ser exploradas.

Tendo em vista que a educação a distância é algo consolidado, há que se estar atento para a integração cada vez maior entre esta modalidade de ensino e as tecnologias que surgem a cada dia. Os benefícios dessa conexão são diversos e impactam toda a comunidade acadêmica. Alunos se atraem mais por ambientes flexíveis e personalizados; professores terão o apoio de ferramentas inteligentes para a identificação da melhor estratégia de transmissão de conteúdo; gestores precisarão fazer investimentos crescentes para acompanhar o ritmo da inovação; e gestores públicos precisarão rever o excesso de regulamentação, abrindo espaços para que as escolas inovem e redefinam o seu papel.

Pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) constatou que em 2023 as novas matrículas na modalidade a distância irão superar aquelas na modalidade presencial na educação superior. Portanto, o debate sobre a viabilidade e a eficiência da educação a distância é algo que precisa ser superado. O momento pede que olhemos para o futuro, e o que está no horizonte é um processo educacional cada vez mais integrado às demandas e necessidades do século 21.

*Celso Niskier, reitor do Centro Universitário UniCarioca e diretor-presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES)

 

Para saber mais cliquei aqui.

Cursos mais bem avaliados serão poupados do bloqueio, diz Capes

Os programas de pós-graduação mais bem avaliados do país, com notas 6 e 7, não serão atingidos pelo bloqueio de bolsas promovido pelo Ministério da Educação (MEC). A informação foi dada pelo presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Anderson Correia, em entrevista coletiva realizada em Brasília, no último dia 9.

Segundo Correia, a suspensão atingiu cerca de 3,5 mil bolsas ociosas, o que equivale a 1,75% do total de 200 mil benefícios deste tipo cadastrados na Capes. O diretor de gestão da instituição, Anderson Lozi, classificou a decisão como “o menor impacto possível”. De acordo com o presidente da Capes, a medida também não vai abranger bolsistas no exterior.

Anderson Correia justificou a decisão como parte dos cortes que o governo federal está promovendo em todas as pastas e áreas do Executivo Federal. A economia com a suspensão seria de R$ 50 milhões. De acordo com Correia, mais medidas estão sendo estudadas como a redução de novas bolsas de programas mal avaliados.

O presidente da instituição afirmou que há possibilidade de um desbloqueio no futuro. “Cabe lembrar que estas ações podem ser revertidas mais a frente caso haja descontingenciamento em razão da economia do país”, pontuou.
Perguntado por jornalistas sobre casos em que as bolsas não estariam ativas porque estariam sendo repassadas a novos alunos, o presidente da Capes informou que o órgão pode fazer uma avaliação. “Geralmente, as universidades alocam alunos no começo de cada semestre, ou fevereiro ou em agosto. Não é comum a entrada de novos alunos em maio. Mas se houver exceções, podemos estudar caso a caso”, disse.

Bloqueio
Nesta semana, o Ministério da Educação bloqueou bolsas não ativas de cursos de todo o país. O presidente da Capes afirmou que a medida atingiu aquelas consideradas “ociosas”, tendo sido preservadas as vigentes. A iniciativa gerou questionamentos por parte das universidades federais e entidades de professores e estudantes.

Em nota, a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG) ponderou que o bloqueio “tem deixado a comunidade acadêmica, especialmente os pós-graduandos, aflitos e temerosos com o futuro, uma vez que essas bolsas de estudos são a única fonte de renda para os estudantes que estão se preparando para dedicar integralmente a produção científica do país, contribuindo para o desenvolvimento nacional.”

Referência: Agência Brasil

Fonte : www.anup.org.br

Para ler na íntegra Clique aqui

 

PROUNI – Instituições superiores têm até 20 de maio para aderir ao programa

As instituições de educação superior que desejarem participar do Programa Universidade para Todos (ProUni), referente ao segundo semestre do ano, devem manifestar interesse até o dia 20 de maio. O prazo vale para novas adesões e aditamentos, que servem como uma atualização cadastral.

Isso deve ser feito por meio do Sistema Informatizado do ProUni, o SisProUni, disponível na internet. Depois de formalizar o interesse nesse período, as instituições têm até o dia 27 de maio para assinar o termo.

O edital sobre o procedimento foi publicado no Diário Oficial da União na terça-feira, 30 de abril. Essa formalização é obrigatória para adesão ao programa.

A exceção vale para as que não possuem registro no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin) — em que a adesão é facultativa. Também não é obrigatória a renovação das que comprovarem a quitação de tributos e contribuições administrados pela Receita Federal.

Número de bolsas – Os termos de adesão ou aditivos informarão o número de bolsas a serem ofertadas para cada curso e turno pelas instituições de educação superior participantes do processo seletivo referente ao segundo semestre de 2019.

Confira o edital 

Acesse a página do ProUni 

Acesse o SisProUni  

Assessoria de Comunicação Social

Fonte: portal.mec.gov.br

 Para ler na Integra, Clique aqui.

BASIS – Aberta a seleção para avaliadores de cursos de graduação e instituições de educação superior

Os interessados em participar do processo seletivo para composição do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (BASis) podem se inscrever até o próximo dia 17, pela internet, no Sistema e-MEC. As vagas são para avaliadores de cursos de graduação e instituições de educação superior (IES). Os docentes precisam cumprir todos os critérios exigidos pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O resultado da seleção será divulgado a partir de 30 de maio.

 As áreas de atuação das vagas e os critérios estão no edital publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira, 7 de maio. Os docentes selecionados poderão integrar as comissões de avaliação externa in loco para avaliar cursos de graduação. O trabalho é remunerado por meio de Auxílio de Avaliação Educacional (AAE) e as comissões são convocadas de acordo com as necessidades do Inep. Para atuar no BASis, os docentes também precisam conseguir a nota mínima exigida no curso de capacitação.

BASis – O BASis é um cadastro nacional e único dos docentes responsáveis pela avaliação in loco dos cursos de graduação e das instituições de educação superior. O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) é responsável pela avaliação das instituições e dos cursos, feita a partir da avaliação in loco, e do desempenho dos estudantes, por meio do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). O objetivo é melhorar a qualidade da educação superior brasileira e orientar a expansão da oferta de vagas.

Acesse o edital da chamada pública.

Acesse a página de inscrições.

 Assessoria de Comunicação Social

Fonte: portal.mec.gov.br

Para ler na íntegra, clique aqui.

 

 

 

FIES – MEC divulga regras do processo seletivo para o segundo semestre

O Ministério da Educação divulgou nesta sexta-feira, 3, as regras para ingresso no processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies) para o segundo semestre.

O certame é para quem:

  • tiver participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir da edição de 2010 e obtido média das notas igual ou superior a 450 pontos e nota superior a zero na redação;
  • possuir renda familiar mensal bruta de até três salários mínimos por pessoa (para inscrição no Fies) ou de até cinco salários mínimos por pessoa (P-Fies).

Os detalhes estão em portaria no Diário Oficial da União.

As mantenedoras de instituições de ensino superior interessadas em participar do processo seletivo devem assinar termo de participação de 9 até 17 de maio. No documento, devem constar a opção pelo Fies ou pelo P-Fies, e a proposta de oferta de vagas em cada modalidade. A retificação dos termos, caso necessária, poderá ser efetuada de 20 a 22 de maio.

Os procedimentos necessários para a emissão e assinatura do termo deverão ser realizados por meio do Sistema Informatizado do Fies, o SisFies, no módulo FiesOferta, disponível aqui.

O período de inscrição dos candidatos ao processo seletivo para o segundo semestre do ano será divulgado mais para frente, em edital da Secretaria de Educação Superior (SESu).

Assessoria de Comunicação Social

Fonte: portal.mec.gov.br

Para ler na íntegra clique aqui.

 

CAPES- Todas as bolsas concedidas serão mantidas no Brasil e no Exterior

A Capes oferece atualmente 200 mil bolsas. Desde ontem, 8, estão sendo analisadas as bolsas ociosas, isto é, que ainda não foram concedidas para estudantes. Essas bolsas estavam paradas por até um ano.

Com o contingenciamento, realizado para sanear as contas públicas do governo federal, foi realizado o bloqueio preventivo de 1,75%, o equivalente a 3.474 mil bolsas. Cabe ressaltar, que o contingenciamento é um esforço de toda a Esplanada.

A decisão foi tomada para que as bolsas em curso não fossem prejudicadas. Além disso, a Capes vai reabrir 1,2 mil bolsas dos programas de Excelência Internacional, que possuem notas 6 e 7, as maiores na avaliação da Capes.

Assessoria de Comunicação Social

Fonte : portal.mec.gov.br

Para ler a íntegra clique aqui

PORTARIA Nº 952, DE 2 DE MAIO DE 2019- Processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil

Foi publicada hoje a PORTARIA Nº 952, DE 2 DE MAIO DE 2019, que dispõe sobre o processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil – Fies e do Programa de Financiamento Estudantil – P-Fies referente ao segundo semestre de 2019. respectivamente, referente ao 1º semestre de 2019.

As mantenedoras de IES interessadas em participar do processo seletivo do Fies e P-Fies referente ao segundo semestre de 2019 deverão assinar o Termo de Participação no período de 9 de maio de 2019 até as 23 horas e 59 minutos do dia 17 de maio de 2019, no qual constará indicação das modalidades de oferta de vagas que desejam participar e a proposta de oferta de vagas em cada modalidade.

Como de praxe, as mantenedoras participantes do processo seletivo do Fies referente ao segundo semestre de 2019 deverão:

I – garantir a disponibilidade das vagas ofertadas, nos termos do inciso IV do caput do art. 9º da Portaria, para matrícula dos candidatos pré-selecionados no referido processo seletivo, inclusive de novos ingressantes;

II – abster-se de condicionar a matrícula do candidato pré-selecionado no processo seletivo do Fies e P-Fies a sua participação e aprovação em processo seletivo próprio da IES, nos termos do caput do art. 1º da Lei nº 10.260, de 2001;

III – abster-se de cobrar quaisquer tipos de taxas relativas aos processos seletivos realizados no âmbito do Fies e P-Fies;

IV – disponibilizar acesso gratuito à internet para a inscrição de candidatos ao processo seletivo do Fies e P-Fies;

V – divulgar, em suas páginas eletrônicas na internet e mediante afixação em local de grande circulação de candidatos, a relação de vagas selecionadas pela SESu-MEC para o grupo de preferência que cada curso e turno de cada local de oferta pertença, o inteiro teor desta Portaria, do Edital SESu referente ao segundo semestre de 2019 e da Portaria MEC nº 209, de 2018;

VI – manter os membros da Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento do Fies – CPSA disponíveis e aptos a efetuar todos os procedimentos de validação das inscrições dos candidatos pré-selecionados pelo Sistema de Seleção do Fies e P-Fies – FiesSeleção; e

VII – cumprir fielmente as obrigações constantes do Termo de Adesão e do Termo de Participação, desta Portaria, do Edital SESu referente ao processo seletivo do segundo semestre de 2019, da Portaria MEC nº 209, de 2018, do(s) instrumento(s) que formalize(m) relação jurídica com o(s) AFOC(s) que possibilite a contratação de financiamento no âmbito do P-Fies e das demais normas que dispõem sobre o Fies e o P-Fies.

A retificação, pelas mantenedoras, dos Termos de Participação ao processo seletivo do Fies e P-Fies referente ao segundo semestre de 2019 ocorrerá no período de 20 de maio de 2019 até as 23 horas e 59 minutos do dia 22 de maio de 2019.

Tenha acesso ao inteiro teor da Portaria clicando aqui.